Mulher presa por mandar matar marido após traição incestuosa: o que se sabe e o que falta saber

                  Por g1 CE

Uma mulher foi presa nesta segunda-feira (27) em Canindé, no interior do Ceará, suspeita de mandar matar o marido. Segundo a polícia, pai, filha e o genro mantinham um relacionamento a três, caso extra-conjugal descoberto pela mulher.

Conforme Daniel Aragão, delegado responsável pelo caso, Maria Aparecida Barroso, de 36 anos, namorava Jaelson Oliveira, de 39. Jaelson, por sua vez, manteria relações sexuais com a própria filha, de 20 anos, e o genro dele, de 26 anos. A polícia investiga se o pai cometia estupro contra a filha.

Ao descobrir o relacionamento, Maria Aparecida pagou R$ 3 mil a duas pessoas para elas matarem o pai, e a filha acabou sendo atingida, embora não fosse o alvo dos matadores. O rapaz de 20 anos, que é genro de Jaelson, fez o pagamento à pessoa que disparou contra a vítima.

1. Como era o relacionamento que envolvia incesto, traição e tentativa de homicídio?

Segundo as investigações, Maria Aparecida Barroso, 36 anos, casada com Jaelson Camelo de Oliveira, 39, descobriu que o marido manteve relações sexuais com a própria filha, de 20 anos, e o namorado dela, identificado como Antônio Herilson da Silva Lopes, de 26 anos. Não se sabe ainda há quanto tempo pai e filha mantinham o relacionamento.

Ainda segundo a polícia, Herilson começou a se relacionar com a jovem e foi convidado por ela para ter sexo a três. Depois do encontro, com relações sexuais com o pai e a filha, ele contou o caso para Maria Aparecida, a mulher do sogro.

2. Quem tentou matar quem?


Após descobrir que o marido mantinha um relacionamento com a própria filha, Maria Aparecida Barroso pagou R$ 3 mil a duas pessoas para que matassem o marido, Jaelson. Conforme a Polícia Civil, a contratação dos assassinos foi intermediada por Antônio Herilson, namorado da jovem de 20 anos.

Em depoimento, Maria afirmou que ao descobrir o caso tentou a separação, mas recebia ameaças do companheiro e contratou os matadores.

3. Houve mortos e feridos?

No dia 29 de junho, Jaelson Camelo de Oliveira, o pai, e a filha, uma jovem de 20 anos, chegavam em casa quando foram atingidos por disparos de arma de fogo. Pai e filha foram socorridos para uma unidade de saúde da região. Segundo o delegado que investiga o caso, Daniel Aragão Mota, a filha de Jaelson foi lesionada por engano, pois o alvo dos executores era apenas o pai.

4. Como está o estado de saúde das pessoas feridas?

Internado há três meses, o homem saiu da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e está na enfermaria em unidade de saúde da área. A jovem recebeu alta, mas perdeu a visão de um dos olhos.

5. Alguém foi preso? Quem?


Segundo a Polícia Civil, os dois executores foram presos poucas horas após o crime com um revólver, que teria sido utilizado nos crimes. Israel de Sousa Silva, de 20 anos, e um adolescente, de 17, foram capturados pelas forças de segurança no dia 29 de junho deste ano.

Nesta terça-feira (27), também foram presos Maria Aparecida Barroso, mulher de Jaelson e Antônio Herilson da Silva Lopes, namorado da filha de Jaelson.

6. O que a legislação brasileira diz sobre relação incestuosa?

No Brasil, não é crime manter relações incestuosas entre adultos. Se as pessoas envolvidas no relacionamento são adultos e agem sem ameaça ou violência, a prática é legal.

Um projeto de lei do deputado Sanderson (PSL-RS) criminaliza práticas incestuosas. O texto prevê prisão de até cinco anos para pessoas que mantiverem relação sexual com pai ou mãe, filho ou filha, irmão ou irmã e ainda avô ou avó, seja parente consanguíneo ou por afinidade, seja parentesco consanguíneo ou por afinidade. A proposta acrescenta um artigo ao Código Penal.

0 Comentários